Diga não.

Esta semana foi ótima. 9 dedos condenado, Curíntia vitorioso, fechamos uma parceria incrível para nosso evento novo, enfim…motivos para celebrar.
Mas eu trago hoje uma questão alvissareira e diria até fundamental para a humanidade (ou pelo menos para os negócios).
Por que tanta gente tem tanta dificuldade de dizer um simples NÃO?
Será herança da colonização portuguesa? Particularmente desconfio que não, pois meus pais nunca mostraram essa dificuldade, muito pelo contrário, de fato.
Por convivência e negócios com profissionais e empresários americanos, percebo que lá isso não deve ser um problema, pois os vejo dizendo um NÃO muito educado e polido, sempre que deve ser dito, sem grandes rodeios.
Mas aqui na terrinha encontro quase diariamente empresários que preferem desconversar, desaparecer, fingir que não viram o e-mail, a mensagem do whatsapp, ou mesmo a ligação perdida, e com isso acabam prejudicando os relacionamentos, os negócios, os outros até. Como disse muito bem o Lucas Pratto (em outro contexto), é preciso “colocar os culhões na mesa”.
Deixo com vocês a resposta que enviei por e-mail a um convidado de nosso evento CONNECT, recentemente, que enviou e-mail no dia anterior dizendo que não poderia comparecer, depois de ter sido convidado e ter aceitado o convite 2 meses antes:
“Caro xxxxxx, boa tarde.
Que lástima!
Como você talvez tenha lido no e-mail, a falta de algum convidado é um tremendo problema para mim e para o evento. Nossa promessa aos fornecedores é de levar 20 convidados e ela não é cumprida quando isso acontece. Eu sou obsessivo em cumprir minha palavra e meus compromissos, e isso me chateia muito.
Entendo que possam acontecer eventualidades que impeçam o comparecimento. Já aconteceu antes. No seu caso, no entanto, duvido que seja esse o motivo real. Se você durante todas essas semanas desde que nos falamos da 1ª vez e depois de sua confirmação, houvesse respondido ao menos 1 e-mail ou 1 mensagem de whatsapp que enviamos, melhoraria minha propensão a acreditar, mas não foi esse o caso, né?
Desejo sucesso nos seus negócios e que você possa encontrar pessoas mais comprometidas na sua jornada, e menos previsíveis do que você mesmo.
Tínhamos tanta convicção (devida ao fato de ter ignorado completamente todos os nossos contatos) de que você não iria na última hora (quando já não há mais tempo hábil para convidar outra pessoa), que fizemos um convite a mais antecipadamente, apesar do custo que isso nos acarreta, para não deixar nossos parceiros “na mão”.
Não sei qual é a dificuldade que algumas pessoas tem de simplesmente dizer não. Mas uma coisa eu sei. Em geral são esses gestores que ficam na 1ª fila das assembleias, com uma lista de queixas e reclamações sobre o mercado, os profissionais, o governo, a chuva, qq ser ou entidade a que se possa aleatoriamente atribuir a culpa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *